O dia da viagem

No post anterior tinha falado que nada de diferente havia me acontecido, mas na verdade aconteceu sim, mas achei melhor contar nesse post. Dois dias antes de embarcar meus amigos tentaram fazer uma festa surpresa, mas sou meio difícil de ser enganado com festas surpresas e logo saquei, mas foi legal, pois estavam a maioria dos meus melhores amigos, ou melhor, aquelas pessoas que podemos chamar de irmãos mesmo não tendo o mesmo sangue. E o tão esperado dia chegou, já estava com o passaporte certo, a carteirinha de vacina internacional com a vacina de febre amarela, malas prontas, verifiquei tudo varias vezes para ver se não estava esquecendo de nada, nesse momento só faltava uma coisa, na verdade eram duas coisas e que eram importantes.

O dia da viagem

O dia da viagem

A primeira coisa era um teste de nível da EF para ver em qual sala eu iria cair, um conselho que dou a vocês, não deixem esse teste para a ultima hora, outro detalhe era que eu já tinha sido aconselhado a não deixar o teste para ultima, também tinha a possibilidade de fazer na Cidade do Cabo, mas para economizar tempo, aconselham a fazer antes, apesar de na época eu já ter um ótimo nível de inglês, ainda sentia uma certa insegurança, eu tinha acabado de terminar o nível Upper Advanced, mas estava a 2 meses sem estudar em inglês, pensei comigo, eu posso estudar mais para cair no nível que realmente estou e não ter nenhum perigo, mas ai que foi meu erro, de ultima hora fui fazer o teste, ai fui fazendo e quando fui ver estava fazendo exercícios e não o teste, ai já faltando 2 horas para sair de casa e ir para o aeroporto, o que levaria mais umas 3 horas, fui fazer correndo, resultado cai em nível inferior ao que eu deveria estar, mas por outro lado não foi tão ruim, eu sabia fazer toda a gramática, se me dessem uma prova eu conseguia tirar boas notas, mas tinha dificuldade na hora de falar, mas não vou entrar em detalhes, porque esse assunto será tratado no post em que contarei minha história na escola. Após fazer meu teste correndo e verificar novamente se estava tudo certo, fui falar com alguns amigos que me chamaram novamente em casa para se despedir e então a tão chegada hora, colocar as malas no carro e partir rumo ao aeroporto de Guarulhos. Chegando lá, fui procurar onde era o guichê da empresa que eu iria embarcar, no caso essa empresa era a South African Airways, achada eu fui pegar as minhas passagens, pois eu tinha tipo um comprovante que precisava ser trocada pelas passagens, troquei e já aproveitei para “despachar” minhas malas e fazer o check-in, feito isso fiz o que tinha que fazer por lá, conversei com a minha família, abracei eles para me despedir e fui para a área internacional do aeroporto para procurar o meu portão de embarque, ao passar no check-in da minha mala de bolso, aquela que fica com a gente e é permitida o peso de até 5 kg, quase tudo certo ai, tirando o fato de que eu estava com um desodorante de 90g, o que não é permitido, ai perguntei o que eu poderia fazer, e tinha duas opções, ou jogar fora ou voltar, enfrentar aquela pequena fila e “despachar” junto com minha outras duas malas, é falando em mala, para quem não sabe, são permitido até 32 kg em cada mala, então eu dividi minhas coisas entre as duas malas e se eu não me engano deu 15 kg mais ou menos em cada. Entre enfrentar uma fila e ter que voltar ou jogar fora o desodorante, é lógico que eu preferi jogar fora ele, pois tinha outros na mala e poderia comprar também na Cidade do Cabo. Logo que passei do Check-in, avistei as lojas Duty Free, essas lojas podem ser encontradas em todos os aeroportos nas áreas internacionais e possuem preços bem mais acessíveis que o daqui, como alguns amigos tinham me pedido alguns presentes e também eu tinha a curiosidade de ver o que tinha de bom para comprar, fui em todas as lojas que me interessavam e guardei os preços para comparar na Cidade do Cabo ou em Johanesburgo. Após isso, fui para o portão que eu deveria esperar para embarcar, achei o portão sem maiores dificuldades e fiquei lá esperando a hora de embarcar, enquanto esperava fiquei falando com meus amigos pelo celular e tentando advinhar quem iria para Cidade do Cabo também, mas essa tarefa foi sem sucesso, pelo menos não lembro de ter visto ninguém que estava em Guarulhos no mesmo voo que eu para a Cidade do Cabo. O meu voo para Johanesbugo sairia 1:30 da manha de Guarulhos, chegada a hora após horas de ansiedade, fui para o avião, todos foram muito educados, procurei o meu assento e me sentei. Estava com dois celulares, um eu arrumei a hora de acordo com Cape Town (5 horas de diferença) e o outro deixei com o horário do Brasil mesmo, a previsão para chegada em Johanesburgo era 15:30. Durante o voo são servidas algumas refeições como janta onde você pode escolher macarrão, frango, carne, frutas, sucos, vinhos, refrigerante, chá e café, mas os vinhos e refrigerantes ficam escondidos, somente se você pedir eles dão.Não sei ao certo se cheguei no horário das 15:30 em Johanesburgo, mas enfim, chegando lá, comecei a descer e tentar ver onde o pessoal estava indo, mas resolvi parar para ir no banheiro, ai quando sai já não sabia mais quem tinha vindo no mesmo avião kkk, ai o plano A que era observar o pessoal para ver se estavam indo para Cape Town tinha ido embora já, então entrei em uma fila para perguntar, mas ao perguntar para um funcionário ele explicou que não era lá e sim do outro lado, então fui para a outra fila e acabei achando uma brasileira por lá, fiquei feliz e pensei agora alguem para me ajudar ou então se perder comigo, ela explicou que ia direto para Johanesburgo, ai eu pensei agora ficou fácil então, mas foi o contrário, ela sabia menos ainda que eu, disse que faz tempo que não ia naquele aeroporto e não sabia falar inglês. O primeiro guichê que passei é para pegar o visto, então se não mudou nada e você chegar em Johanesbugo, desça direto o desembarque internacional, desça a escada e pode ir indo reto até o guichê que fica na direita. Dei meus documentos e a carteirinha de vacina internacional e ganhei meu visto de turismo, logo em frente já é o local onde se pega as malas, peguei ela e fui procurar o guichê da companhia South African Airways, achei também sem muitas dificuldades, mas para achar o portão de embarque tive algumas dificuldades, estava um pouco perdido e a brasileira que eu conheci, foi para outro lado, pois ela iria ficar lá mesmo. Decidi pedir ajuda para um funcionário, ele me explicou e então resolvi seguir as instruções dele, mas não foram tão boas assim e continuei confuso, então fui perguntar de novo e para minha surpresa, o funcionário queria dinheiro em troca da informação, mas como eu disse no outro post, eu estava sem rand, pois na casa de cambio perto da minha cidade, não tinha rands, por ser uma moeda pouco procurada, olhei para a carteira e só tinha notas altas de dólares e reais, tentei convencer ele a me dar a informação sem dinheiro em troca, mas não é que ele foi mercenário e não queria, procurei de novo e achei 1 real na carteira, dei para ele, ele olhou e perguntou o que era aquilo e eu disse isso é real e vale 4 rands, ele fez um cara de fazer o que né e me deu a informação e dessa vez precisa, mas ai veio o cansaço se eu não estou errado tive que subir uns 4 andares para chegar no meu portão, o check-in também ficava na parte de cima de não me falha a memória, então sentei lá e esperei por 3 horas sem internet, sem sinal no celular, apenas pensando em como seria quando chegasse lá e como seria estar sem minha família e amigos por perto, pois essa era a primeira vez que eu ficaria longe de casa por tanto tempo e sem nenhum conhecido.  Chegada a hora de partir para a Cidade do Cabo, La fui eu outra vez entrar no avião, outra vez todos muito educados, procurei meu assento e por lá fiquei, olhando a hora e a janela para ver a vista ou o que eu conhecia ver. Cheguei um pouco atrasado, pois o tempo não favoreceu, chegando na Cidade do Cabo fui perguntar onde era a área que eu deveria ir, o policial lá antes resolveu revistar minha mala, pegou uma sacola que minha mãe tinha deixado algumas coisas daqui como salgadinhos, bolachas, balas e outras comidas, e então me deram a informação, mas não devolveram a sacola, pensei, ah pronto,agora me “confiscaram” minhas “bobeirinhas” que nem sei se tem aqui, estava indo já para o local onde o “transfer” estaria me esperando quando o guarda veio correndo e disse que eu tinha esquecido a sacola, disse obrigado, mas pensei por dentro eu dizendo, esquecer eu não esqueci não, na verdade achei que tinha pegado kkk, me dirigi um corredor onde tinha muitos transfer, mas não achei nenhuma plaquinha com meu nome, então fui reto para a praça de alimentação e vi um posto de ajuda, perguntei sobre meu transfer, dei meu nome e informações, ele e mais um rapaz falaram um monte de coisa que não entendi quase nada kk, depois de um tempo eles falaram e fizeram sinal de que meu transfer estava vindo e era para eu esperar. Não sei ao certo o tempo que ele demorou para chegar, mas calculo em torno de 40 min para mais. Confira no outro posto a minha ida do aeroporto até minha host family.

You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More
Powered by WordPress and WordPress Themes, thanks to Live Jasmin